UMA PEQUENA DEFINIÇÃO DAS PALAVRAS BÁSICAS NA HIGIENE ÍNTIMA

Vulva: a parte exterior da área genital feminina chama-se vulva e é formada pelos grandes lábios (os lábios exteriores da vulva), os pequenos lábios ou lábios interiores, o clítoris, o orifício externo da vagina, a uretra e as glândulas de Bartholini, que produzem a lubrificação vaginal.

pH: é a medida de acidez ou alcalinidade de uma substância.

O pH é a medida utilizada para determinar o grau de acidez ou de alcalinidade de uma substância. Expressa-se numa escala que vai de 1 a 14 e classifica-se em:
pH ácido de 1 a 6,9;
pH neutro de 7;
e pH alcalino de 7,1 a 14.

O pH da zona genital é ácido, e os sabões habituais são alcalinos, por isso deve-se prestar uma atenção especial ao pH dos geles que usamos para a nossa higiene íntima.
A acidez natural é importante, porque as bactérias nocivas não se desenvolvem nem reproduzem facilmente num ambiente ácido. Por isso é que um pH baixo é essencial para criar um bom equilíbrio entre as bactérias benéficas e as nocivas. Os Lactobacilos são algumas das principais bactérias responsáveis por manter uma flora vaginal saudável. A sua produção de ácido láctico contribui para a acidez da zona vaginal.

Ácido láctico – Os lactobacilos decompõem o glicogénio contido no muco vaginal, produzindo ácido láctico o que dá origem a um ambiente ácido. Este ambiente ácido promove o crescimento de mais lactobacilos, inibindo a presença de bactérias nocivas e evitando as infeções. A vagina cuida-se a si própria e as suas paredes produzem secreções continuamente que promovem a lubrificação, autolimpeza e mantêm uma acidez adequada para evitar infeções.

O ácido láctico é vital para proteger a sua zona íntima. Ao manter o pH da vagina baixo, mantém a camada ácida protetora da vagina. É por isso que encontra ácido láctico e outros ingredientes naturais em todos os produtos Lactacyd. As condições na vagina humana variam durante os diferentes estados da vida (ciclo menstrual, gravidez e menopausa), e outras atividades diárias.
À medida que as condições se alteram o equilíbrio natural da mucosa vaginal também se altera o que pode causar desconforto, irritação ou mesmo infeções.

Microflora genital também conhecida por “flora vaginal”, é um conjunto de microrganismos em equilíbrio, que normalmente se encontram na vagina e são responsáveis por manter o pH e as características normais do ambiente vaginal.

A vagina está colonizada por microrganismos, tal como a boca. Esta flora habitual protege-nos.

Os microrganismos da flora genital não só não são nocivos quando nos encontramos saudáveis, como ainda nos ajudam a não contrair infeções causadas por outros micróbios mais agressivos, através de variados mecanismos. Por essa razão, não será bom tentar eliminá-los do seu local. Existem circunstâncias em que há variações na flora habitual, por exemplo durante o período menstrual, gravidez e puerpério, que é o período de 6 a 8 semanas após o parto.

Maceração: tal como em outros processos, o excesso de humidade afeta a nossa “mucosa íntima” e pode provocar um amolecimento da pele, que se torna esbranquiçada e com fissuras. Uma higiene íntima cuidada evitará estes episódios; nestas páginas encontrará muitos conselhos a este respeito.

Prurido: irritação, comichão. Se for na zona íntima, faça uma visita ao ginecologista ou ao dermatologista.

Pavimento pélvico: é o conjunto de músculos que fecham a cavidade abdominal na sua parte inferior, segurando a mantendo na sua posição normal a bexiga, o útero e o reto. As alterações do pavimento pélvico podem produzir problemas (prolapsos, incontinências) no correto funcionamento de estes órgãos.